31 January 2010

YULIA TYMOSHENKO - THE EARLY YEARS (I)















(2010)
AS IDENTIDADES ASSASSINAS



Aparentemente, nem será um Eastwood-"vintage". Mas não é especialmente por isso que não me apetece ir ver Invictus: um filme que se ocupa da união de um país dividido através da descoberta da "alma nacional" a pretexto de um campeonato de rugby agrega num concentrado particularmente coeso diversas das coisas mais detestáveis. Numa palavra: o tribalismo. Sim, eu sei, aqui, paradoxalmente (e ilusoriamente) anti-tribal.

(2010)
NAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DA UCRÂNIA
O VOTO CERTO É EM YULIA TYMOSHENKO




(2010)
EM CONTAGEM DECRESCENTE ATÉ ABRIL



(2010)
AN EVEN BRAVER NEWER WORLD



"Há técnicas [de assédio no local de trabalho] que são ensinadas, que fazem parte da formação em matéria de assédio, com psicólogos a fazer essa formação.

Uma formação para o assédio?

Exactamente. Há estágios para aprenderem essas técnicas. Posso contar, por exemplo, o caso de um estágio de formação em França em que, no início, cada um dos 15 participantes, todos eles quadros superiores, recebeu um gatinho. O estágio durou uma semana e, durante essa semana, cada participante tinha de tomar conta do seu gatinho. Como é óbvio, as pessoas afeiçoaram-se ao seu gato, cada um falava do seu gato durante as reuniões, etc.. E, no fim do estágio, o director do estágio deu a todos a ordem de... matar o seu gato.

Está a descrever um cenário totalmente nazi...

Só que aqui ninguém estava a apontar uma espingarda à cabeça de ninguém para o obrigar a matar o gato. Seja como for, um dos participantes, uma mulher, adoeceu. Teve uma descompensação aguda e eu tive de tratá-la - foi assim que soube do caso. Mas os outros 14 mataram os seus gatos. O estágio era para aprender a ser impiedoso, uma aprendizagem do assédio. Penso que há bastantes empresas que recorrem a este tipo de formação - muitas empresas cujos quadros, responsáveis de recursos humanos, etc., são ensinados a comportar-se dessa maneira". (Christophe Dejours, psiquiatra, psicanalista, professor no Conservatoire National des Arts et Métiers, director do Laboratório de Psicologia do Trabalho e da Acção, de Paris, em entrevista - vivamente aconselhada - ao "Público")

(2010)

30 January 2010

FOI POR VONTADE DE DEUS...



"'Nós, no Banco de Portugal, não esperávamos. O Governo e o próprio Ministério das Finanças foi surpreendido com esta evolução nos últimos dois meses do ano', disse Vítor Constâncio sobre o défice de 9,3% de 2009. Repare-se: o governador do Banco de Portugal está a explicar ao mundo que a bebedeira financeira em Portugal é de geração espontânea, ninguém sabe, ninguém estava lá, aquilo acontece... Podia ter sido aquilo, ou outra coisa qualquer... Ou então... o quê?" (daqui)

(2010)
A ONU E A UE ENTREGAM A PORTUGAL
A PESADÍSSIMA RESPONSABILIDADE
DE PRESSIONAR O GOVERNO CHINÊS
COM ARMAS DE DESTRUIÇÃO MASSIVA




Mariza e Sónia Tavares actuam em Xangai

(2010)
E, MUITO A PROPÓSITO...



(2010)
OLHA UM BLOG FELINÓFILO COM PINTA!



Queridos Gatos

(2010)

29 January 2010

NOW YOU SEE IT, NOW YOU DON'T




Recapitulando: há excesso de vacinas; não há excesso de vacinas; já há excesso de vacinas outra vez.

(2010)
E, NO ENTANTO, SE O CÉSAR MONTEIRO TINHA RAZÃO... *



Há cada vez menos freiras nos conventos, e alguns já tiveram de encerrar. Nos últimos 15 anos os institutos religiosos perderam 2.500 vocações. Há congregações que não têm uma noviça há quase 20 anos, e 33 destas instituições estão a funcionar com menos de dez religiosas

* ... quando dizia "toma lá 100 escudos mas não gastes tudo em freiras", até parecia ser uma carreira de futuro.

(2010)
OH, A POLISSEMIA DO TEXTO!...



"Since its release in December, James Cameron’s science-fiction epic has broken box office records and grabbed two Golden Globe awards for best director and best dramatic motion picture. But it has also found itself under fire from a growing list of interest groups, schools of thought and entire nations that have protested its message (as they see it), its morals (as they interpret them) and its philosophy (assuming it has one)" (artigo integral aqui)

(2010)
DO CADERNO DOS TPC DE STEPHIN MERRITT (II)






(2010)

28 January 2010

TASTE THE WHIP, TOTUS TUUS


The Crystals - "He Hit Me (And It Felt Like A Kiss)"

He hit me and it felt like a kiss
He hit me but it didn't hurt me
He couldn't stand to hear me say
That I'd been with someone new


Hole - "He Hit Me (And It Felt Like A Kiss)"

And when I told him I had been untrue
He hit me and it felt like a kiss
He hit me and I knew he loved me
Cause if he didn't care for me
I could have never made him mad


Grizzly Bear - "He Hit Me (And It Felt Like A Kiss)"

He hit me and I was glad
Baby won't you stay...
He hit me and it felt like a kiss
He hit me and I knew I loved him
Cause when he took me in his arms
With all the tenderness there is
He hit me and he made me feel
Baby won't you stay...

(2010)
J. D. SALINGER (1919 – 2010)



CATCHING SALINGER - "In 2005, three fans of The Catcher in the Rye set off from Cleveland, Ohio, to retrace the steps of Holden Caulfield and to meet the reclusive author"



Partes II, III, IV, V, VI

(2010)
E O EXEMPLO DE WOJTYLA NÃO PÁRA DE NOS ILUMINAR


Britney Spears - "(Hit Me Baby) One More Time"

Oh baby, baby
How was I supposed to know
That something wasn't right here
Oh baby, baby
I shouldn't have let you go
And now you're out of sight, yeah
Show me how you want it to be
Tell me baby 'cause I need to know now, oh because

My loneliness is killing me
I must confess I still believe
When I'm not with you I lose my mind
Give me a sign
Hit me baby one more time


Oh baby, baby
The reason I breathe is you
Boy you got me blinded
Oh pretty baby
There's nothing that I wouldn't do
It's not the way I planned it
Show me how you want it to be

Tell me baby 'cause I need to know now, oh because

My loneliness is killing me
I must confess I still believe
When I'm not with you I lose my mind
Give me a sign
Hit me baby one more time


Oh baby, baby how was I supposed to know
Oh pretty baby, I shouldn't have let you go
I must confess, that my loneliness is killing me now
Don't you know I still believe
That you will be here
And give me a sign
Hit me baby one more time


My loneliness is killing me
I must confess I still believe
When I'm not with you I lose my mind
Give me a sign
Hit me baby one more time


(2010)
SOLDADINHOS DE CHUMBO



A caixa de comentários do artigo do "Público" - "Vem aí uma geração de rapazes frustrados" - referido neste post, é um esclarecedor concentrado daquele caldo de cultura bacteriana oriundo de ESEs, Piagets e locais infecto-contagiosos afins, que demonstra bem como a peçonha das "ciências" da educação adubou eficazmente o terreno e criou uma legião de anónimos soldadinhos de chumbo prontos a sair, espontaneamente, em sua defesa.

Escreve um:

"Há soluções para ultrapassar este comportamento dos rapazes, nomeadamente, valorizando o seu trabalho em situação de aula. Sempre que alcançam melhorias nos seus resultados, devem ser valorizados e encorajados perante a turma, sem ser de forma bajuladora, mas eficaz e indiscutível, ajudando-os a atingirem metas estabelecidas"

Por outras palavras, sempre que os pobres desgraçados vítimas do cromossoma Y lá consigam acertar uma, é ter o torrãozinho de açúcar à mão. Que é para ver se as garinas lhes ganham um bocadinho de respeito e eles arrebitam. Mais ou menos o mesmo tipo de água-de-rosas "pedagógica" (ainda longe de estar extinta) com que se costumava borrifar as "minorias étnicas", os "deficientes coitadinhos" e outros portadores de "necessidades educativas especiais".

E acrescenta outro:

"O facto de no Secundário se exigir cada vez menos ao nível da abstracção pode também colocar os rapazes em desvantagem"

É verdade, no Secundário é só modas e bordados. Afinfassem-lhes com o Wittgenstein e o teorema de Fermat e era ver os moços a refulgir como supernovas.

(2010)
AGORA QUE JÁ COMEÇÁVAMOS
A HABITUAR-NOS AOS ROBALOS...




Tamboril, peixe-galo e bife para a conta dos estrangeiros e fronteiras: SEF marcou almoço e saiu sem pagar. Mais tarde tentou que o restaurante ou se transformasse em fornecedor ou deixasse ver a situação fiscal

Após a promiscuidade entre política e futebol, futebol e poder local, política e construção civil, sucata e política, seguir-se-á a promiscuidade (forçada) entre Estado e gastronomia. Em rigor, apenas um lógico e previsível passo em frente em matéria de caldeirada.

(2010)
E MAIS UMA PARA ST. KAROL "KINKY" WOJTYLA
(vezes três, com o textinho da oração para recitar)


The Velvet Underground - "Venus In Furs"

Shiny, shiny, shiny boots of leather
Whiplash girlchild in the dark
Clubs and bells, your servant, don’t forsake him
Strike, dear mistress, and cure his heart

Downy sins of streetlight fancies
Chase the costumes she shall wear
Ermine furs adorn the imperious
Severin, Severin awaits you there


John Cale - "Venus In Furs"

I am tired, I am weary
I could sleep for a thousand years
A thousand dreams that would awake me
Different colors made of tears

Kiss the boot of shiny, shiny leather
Shiny leather in the dark
Tongue of thongs, the belt that does await you
Strike, dear mistress, and cure his heart


Lou Reed - "Venus In Furs"

Severin, Severin, speak so slightly
Severin, down on your bended knee
Taste the whip, in love not given lightly
Taste the whip, now plead for me

I am tired, I am weary
I could sleep for a thousand years
A thousand dreams that would awake me
Different colors made of tears

Shiny, shiny, shiny boots of leather
Whiplash girlchild in the dark
Severin, your servant comes in bells, please don’t forsake him
Strike, dear mistress, and cure his heart

(2010)

27 January 2010

OH, BABY, YOU'RE SOOO VICIOUS!...


"Quem privou com o Papa [João Paulo II] na Polónia e no Vaticano, sabe que se autoflagelava com um cinto, guardado no armário entre a roupa, e companheiro das deslocações do pontífice, revela o livro baseado em 114 testemunhos. Alguns dos colaboradores conseguiam ouvir quando ele se flagelava no Vaticano e inclusive durante uma viagem à Polónia" (aqui)



Vicious
You hit me with a flower
You do it every hour
Oh, baby, you're so vicious

Vicious
You want me to hit you with a stick
But all I've got is a guitar pick
Huh, baby, you're so vicious

When I watch you come
Baby, I just want to run far away
You're not the kind of person around I
Want to stay

When I see you walking down the street
I step on your hands and I mangle your feet
You're not the kind of person that I want to meet
Oh, baby, you're so vicious
You're just so vicious

Vicious
Hey, you hit me with a flower
You do it every hour
Oh, baby you're so vicious

Vicious
Hey, why don't you swallow razor blades
You must think that I'm some kind of gay blade
But baby, you're so vicious

When I see you coming
I just have to run
You're not good and you certainly aren't
Very much fun

When I see you walking down the street
I step on your hand and I mangle your feet
You're not the kind of person that I'd even want to meet

'Cause you're so vicious
Baby, you're so vicious
Vicious, vicious
Vicious, vicious
Vicious, vicious
Vicious, vicious

(2010)
A PANDILHA DOS "CIENTISTAS" DA EDUCAÇÃO PREPARA-SE PARA PROSSEGUIR OS ESTRAGOS (agora na versão "no boy left behind")



Vem aí uma geração de rapazes frustrados (artigo do "Público" de hoje, de Clara Viana)

Constatação de factos: "As raparigas têm hoje melhores notas e vão mais longe; os rapazes desistem, muitos deles logo no fim da escolaridade obrigatória. Nos 27 países da União Europeia, só a Alemanha mantém, no ensino superior, valores equilibrados de participação dos dois sexos".

Causas: "As raparigas são socializadas na família em moldes que facilitam a adaptação às exigências escolares: mais responsabilidade, mais autonomia, mais trabalho" enquanto "os estereótipos sociais ainda dominantes valorizam nos rapazes o desafio, a violência e o uso da força, um verdadeiro arsenal antiescolar", segundo Christian Baudelot (sociólogo especialista em assuntos de educação); por outro lado, para "os professores, na sua esmagadora maioria, mulheres, o modo como as raparigas se comportam e trabalham é 'mais conforme com as suas representações do bom aluno ou aluno ideal' - o que poderá conduzir a uma 'sobreavaliação' das alunas e a uma 'discriminação' dos alunos" (opinião de Alice Mendonça, professora na Universidade da Madeira); "como o comportamento afecta de modo significativo o aproveitamento, a pouca conformidade às regras escolares estará na base dos piores resultados dos rapazes" (Teresa Seabra, socióloga do ISCTE); ou seja, tudo isto acontece "avisam os investigadores, por [os rapazes] estarem a ser avaliados num sistema que valoriza as características próprias das raparigas e penaliza as dos rapazes".



Soluções: "Em Portugal, há alguns anos, houve quem chegasse a propor a introdução de quotas para homens nas faculdades de Medicina. Em países onde o debate está lançado, há quem defenda o regresso às escolas separadas" ou "aulas separadas para as disciplinas onde as diferenças são maiores"; "no Reino Unido, as escolas do pré-escolar receberam instruções do Governo para, a partir, deste mês, reforçarem os exercícios de escrita com 'materiais engraçados', junto dos rapazes de 3/4 anos".

CONCLUSÃO: as raparigas porque são mais responsáveis, mais autónomas, trabalham mais e têm menos problemas de comportamento criaram um quadro de valores lá muito delas (mas que os sacanas dos profes - pior ainda, as profes! -, vá-se lá entender porquê, preferem) e que, de forma totalitária, discrimina e oprime os pobres moços, recusando-se, injusta e cruelmente, a reconhecer aqueles que lhes são próprios e saudáveis, como andar à porrada, jogar à bola e andar à porrada, sem ligar peva a essas mariquices de livros e o raio. Logo, há que proteger as infelizes criaturinhas XY, rasgando-lhes os horizontes para um futuro radioso de débeis mentais que, desse modo, lhes ficará irremediavelmente assegurado.

Intrigante é que, quando os números eram ao contrário, o problema parecia não existir.

edit: este comentário na página do "Público" online é esclarecedor:

"Eu sou estudante, e percebo o problema. Sendo rapaz sempre notei que as raparigas tinham vantagem nas notas. Por vários motivos. Primeiro, organização. Os rapazes em idade escolar são estereotipados como tendo o quarto desarrumado e por terem na cabeça jogos de video, bola e coisas que não deviam. As raparigas pelo contrário, desligam-se mais das actividades fisicas e estimam o seu espaço. Isso resulta em que quando um rapaz chega a casa depois da escola, depois de lanchar vai jogar computador, enquanto que uma rapariga faz os trabalhos de casa. Na escola, os rapazes jogam à bola, brigam e divertem-se, as raparigas estão atentas. (...) Para além disso, é certo e bem sabido que o sexo masculino dá privilégio à força e à lógica, em detrimento da memorização e sensibilidade. Hoje quase todas as disciplinas escolares exigem bom comportamento e memorização, algo que para um rapaz de escola é ridículo". (o "hoje" é impagável...)

(2010)
ET VOILÁ!...


O porta-voz do Ministério da Saúde


... contudo, uma pequena aldeia povoada por invencíveis lusitanos resiste bravamente:

"A ministra da Saúde, Ana Jorge, disse, citada pela Lusa, que a gripe A não foi uma falsa pandemia e defendeu todas as medidas tomadas contra a doença, nomeadamente a vacinação".

(2010)
NOS PAÍSES CIVILIZADOS É ASSIM



'Oral sex' definition prompts dictionary ban in US schools

Já, por cá, ninguém se preocupa que o filho de um operário vidreiro da Marinha Grande possa dizer a toda a gente que o pai ganha a vida a fazer "blow-jobs".

(2010)

26 January 2010

O POÉTICO EMPREENDEDOR


Não perguntem porquê...*

“Balaústre gentil”, “Práxis Quotidiana”, “Pópulo de Cristal”: Quer ser empreendedor? Pretende viver com o sucesso, a performance e a segunda dama de honor da Elite Model Look? Então visite o site da empresa na hora e perca um minuto a vasculhar a lista de firmas disponíveis. Aí encontrará, garanto-lhe, uma inesquecível Paelha d’Oportunidades.(aqui)

* ... mas, quando se busca nas imagens do Google por "balaústre gentil", aparece o Allan Kardec.

(2010)
E AGORA?... COMO FAZEMOS PARA ACREDITAR? *



2009, o segundo ano mais quente desde 1880?

* porque, continuando por este caminho, o pior está a acontecer: a ciência transformar-se em matéria de fé.

(2010)
BONS ALUNOS



Beach House - Teen Dream

Alex Scally e Victoria Legrand, aka Beach House, têm óptima imprensa. Não falta quem esteja disposto a assegurar que eles são uma das melhores coisinhas que aconteceram à pop desde que Elvis Presley começou a ganhar peso. E, de facto, não é difícil encontrar encanto nestas canções redondas e leves como vapor de água. O problema, porém, é que tudo aquilo que é bom na música dos Beach House já foi muito melhor nas diversas fontes onde eles decidiram ir beber.



As harmonias vocais, as guitarras circulares e à beira da liquefacção, a atmosfera suavemente hipnótica, a linearidade melódica, germinaram em berços de tão maior nobreza como os dos Beach Boys, Mazzy Star, Velvet Underground, Big Star, Zombies, Talk Talk, até o dos Beatles, quando Lennon e McCartney tinham os respectivos alinhamentos astrais em consonância particularmente favorável. Alex e a sobrinha de Michel Legrand são alunos dotados, estudiosos e aplicados mas não é fácil imaginar que, algum dia, venham a ser capazes de outra coisa que não assinar o ponto no livro dos mestres. Teen Dream, no próprio título, acaba por ser desarmantemente sincero: a atitude de emulação é genuinamente adolescente. Eles é que já não o são.

(2010)
OS TUBOS SÃO COMO AS CEREJAS
(sugestão do RLima a partir daqui)


Brian Eno - "Burning Airlines Give You So Much More"



North By Northwest - real. Alfred Hitchcock (1959)

(2010)
NOMOFOBIA


A vacina (com a vantagem adicional de não ser da Glaxo)

Medo de ficar sem telemóvel já é considerado doença

(2010)

25 January 2010

HERE COME THE PLANES, THEY'RE AMERICAN PLANES




(2010)
AINDA O ENORME EXEMPLO DE "ÉTICA REPUBLICANA"
QUE NOS DEU O LITERATO URANISTA TEIXEIRA GOMES




Chamemos-lhe "literatura comparada". Por aqui, ficámos a conhecer as peculiares preferências do bravo portimonense (que, declarando "a política longe de me oferecer encantos ou compensações converteu-se para mim, talvez por exagerada sensibilidade minha, num sacrifício inglório", dois anos após ter sido eleito Presidente da República, por "necessidade porventura fisiológica", decidiu que não tinha vida para aquilo e regressou "às minhas preferências, às minhas cadeiras e aos meus livros") inspirador da candidatura de Manuel Alegre.

A versão do site da Presidência da República, porém, oferece suaves cambiantes saborosamente alternativos:

"Às obras já referidas há que acrescentar as escritas no seu retiro argelino, Cartas a Columbano, de 1932, Novelas Eróticas e Regressos, em 1935, Miscelânea, em 1937, e, por último Mana Adelaide e Carnaval Literário, em 1938. Elas espelham bem a ânsia de justiça e o desejo de espalhar benefícios do autor, e noutra vertente, o seu gosto pela sensualidade e o reconhecimento do direito à vida plena de cada ser humano, denunciando enfim, o grande conteúdo humanista e estético que o caracterizava". (aqui)

(2010)
NÃO FOI PARA APARECEREM BANDIDOS DESTE QUILATE QUE MILHARES TORRARAM NAS PIRAS DA INQUISIÇÃO (e, a seguir, vem a OMS)


Die Inquisition in Portugall, gravura em cobre de Jean David Zunner, da obra Description de L'Univers, Contenant les Differents Systemes de Monde, Les Cartes Generales & Particulieres de la Geographie Ancienne & Moderne, de Alain Manesson Mallet, Frankfurt, 1685

Glacier scientist: I knew data hadn't been verified

"The scientist behind the bogus claim in a Nobel Prize-winning UN report that Himalayan glaciers will have melted by 2035 last night admitted it was included purely to put political pressure on world leaders. Dr Murari Lal also said he was well aware the statement, in the 2007 report by the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), did not rest on peer-reviewed scientific research" (aqui e em sequência daqui)

(2010)

24 January 2010

PARECE QUE NINGUÉM (OU QUASE) REPAROU...



"Esta é a cidade de um grande escritor português, Manuel Teixeira Gomes. Um poeta da palavra, um artista que foi Presidente da República e que, sendo Presidente, nunca deixou de ser artista. E acima de tudo um cidadão que nos deixou uma lição de ética e de sentido estético da vida" (Manuel Alegre, no lançamento da candidatura presidencial, em Portimão - aqui)

Liberdades poéticas, lírica trágico-marítima & coiso, de onde vêm, já se sabe como é. Agora... "lição de ética" - pelo menos, segundo os parâmetros actuais -, hmmm... parece que não.

(2010)
O VERDADEIRO COITUS INTERRUPTUS
(ou "the born-again virgin")

Like mom, like daughter

"Bristol Palin's goal? No more pre-marital sex. The 19-year-old mom told Oprah Winfrey on Friday she's been depressed since the birth of her 13-month-old son, Tripp, and she won't make the same mistake twice. 'I just think it's a goal to have, and other women should have that goal', Palin said of her chastity oath. Oprah said she 'bristled' when she heard Palin would go without sex until marriage. (...) 'I have a kid in my life, and it's my full-time job now', the born-again virgin told Oprah" (aqui e aqui, onde Bristol declara que "abstinence is the only way you can effectively, 100% foolproof way you can prevent pregnancy"... olha que não, miúda, olha que não...)

(2010)
SAY NO MORE, SAY NO MORE!...



E por aqui se fica a saber que o Sr. ex-Doce também é um "cientista" da Educação. No Instituto Superior de Ciências Educativas (?), em Lisboa (aliás, Odivelas), curso de... Turismo (???). Muito a propósito, hoje, no "Público", escrevia Vasco Pulido Valente:

" (...) Segundo um inquérito recente do prof. Vítor Crespo, antigo ministro de Sá Carneiro, Portugal é hoje o país da Europa com mais instituições de ensino superior por milhão de habitantes (17) e, naturalmente, com mais cursos (4870). Existem por aí 825 licenciaturas diferentes (não se imagina em quê) e 133 só em engenharia. Parece que este caos se criou porque, nas doutas palavras de Sobrinho Teixeira, 'os jovens de Bragança, Beja ou Covilhã têm (...) o mesmo direito' a uma vida decente do que os jovens de Lisboa, do Porto ou de Coimbra. Claro que, se os sentimentos são louváveis (embora, no caso, sem sentido), a qualidade é baixa e a 'excelência' rara ou até nula. Ultimamente foi criada uma 'Agência de Avaliação e Acreditação' para limitar ou reduzir esta catástrofe. Mas, como declarou o respectivo presidente, se houver 'rigidez', quer ele dizer na sua, um mínimo de exigência, não fica nada, ou quase nada, aberto.

Apesar do palavrório e dos trémulos de voz (quem não se lembra de Guterres com o coração na boca?), o Estado nunca de facto se preocupou em educar os portugueses. Ou porque não sabia o que era a educação (coisa provável e muitas vezes manifesta no pessoal dirigente) ou porque se limitou a ceder a pressões - regionais, corporativas, económicas, partidárias - com um total desprezo pelo resultado. Neste capítulo, o grande 'esforço' oficial, como eles gostavam de chamar à falcatrua, não passou na prática de puro fingimento. Não admira que estejam hoje no desemprego entre 40 e 50.000 'licenciados'. Nem que a produtividade não aumente. O que admira é que ninguém perceba que Portugal fabricou a sua própria miséria: por desleixo, corrupção e militante estupidez"
. (crónica integral aqui)

(2010)
PURE ZOOLANDER



"Unlike his predecessor [David Beckham], the poor chap is clearly no supermodel. It's not just that he's less naturally handsome, with a strangely prominent Adam's apple and feminine features that contrast oddly with his rugged physique. He's also obviously uncomfortable in front of a camera. In all the shots, Ronaldo is clearly trying his hardest to look sultry and mysterious. But the effect is pure Zoolander, a la the dumb male model of Ben Stiller's comedy whose trademark 'blue steel' facial pose is hilariously over the top. (...)


Zoolander - realiz. Ben Stiller (2001)

Another pose - sideways on to the camera in tight white underpants - is, quite frankly, disturbing. Peeping over biceps that are the exact size and shape of a couple of oven-ready chickens is a face that looks like Liv Tyler's - all pouty lips and over-made-up doe eyes. In a third, he appears to be paying homage to Village People, with an open waistcoat over his naked chest, pulling down tight jeans to reveal the top of his underpants and staring moodily at the camera. (The large earrings don't help, either.)



Overall, the effect is camp in the extreme. As Matthew Todd, editor of the gay magazine Attitude said last week, his own publication would have given Ronaldo a 'far butch-er' makeover. (...) Altogether, the impression is of a person who is far too in love with himself and his own appearance to waste time thinking about anyone, or anything, else. What self-respecting woman would fall for Ronaldo, whatever the size of his sixpack, when he clearly has no time to read books, go to the cinema, or develop opinions about anything apart from his football or his gym equipment?" (aqui)

(2010)
DO CADERNO DOS TPC DE STEPHIN MERRITT (I)


Judy Collins - "Bob Dylans Dream"

(2010)
COISAS POUCAS E BOAS



The Magnetic Fields - Realism

Não tínhamos reparado mas, aparentemente, nos domínios da canção tal como Stephin Merritt a pratica, estava em curso uma trilogia. Mais exactamente, uma "no synth trilogy". Após o trimonumental 69 Love Songs (1999), ter-se-á alojado na cabeça do diminuto génio uma ideia de – com modulações diversas – declinar a antiquíssima pequena forma de "words & music" sem recorrer às maquinetas de teclados portáteis, das quais, tanto nos Magnetic Fields como nos Gothic Archies, Future Bible Heroes ou The 6ths, ele fizera generoso uso. Tudo terá começado, sorrateiramente, com i (2004), um belo tomo do cânone-Merritt que, não anunciando a coisa como bíblica separação de águas, varria os sintetizadores para baixo do tapete. Distortion, de 2008, passou só como exercício de estilo dedicado a submeter o requintado songwriting à trituradora sonora que os Jesus & Mary Chain haviam convertido ao dogma-pop em Psychocandy. É, agora, com Realism, que ele revela o objectivo último da conspiração estética:



"Pensei em Distortion e Realism como um par de álbuns complementares. Quis que um se chamasse 'True' e, o outro, 'False'. Mas nunca consegui decidir qual seria o verdadeiro e o falso. Ambos têm a ver com a noção de verdade e falsidade no que respeita à gravação e à música. Não particularmente no que se relaciona com os textos mas com a produção. Distortion foi tão longe quanto era possível na direcção de um noise-pop estilizado, o que é, possivelmente, o limite da estilização do rock, antes de se transformar em outra coisa qualquer. Realism é folk, apesar de nunca ter tido muita paciência para o folk. Não aturo o som de uma guitarra acústica mais do que três minutos de cada vez”. Os modelos foram, então, o "variety folk", mais ou menos psicadélico, de Judy Collins e Judy Henske, "sem nenhuma ideia do que virá a seguir, como eu gosto numa programação de rádio. Sem grandes proclamações. Tenho dificuldade em ouvir Beethoven. Prefiro coisas pequenas, subtis, nada de épicos e obras-primas". Realism, então, é isso mesmo: ínfimos momentos de magnífica maldade ("I want you crawling back to me, down on your knees, like an appendectomy sans anaesthesia" ou "I could say I want you, that would be a bore, maybe in a font you've never seen before") colados a miniaturas esqueleticamente acústicas de ukulele, guitarra harpa, tuba, dulcimers, piano de brinquedo, banjo, bandolim, cordas de câmara e outras falsas ingenuidades avulsas, de salão de baile pobre e, educada e perversamente, à beira do abimo. Coisas poucas e boas.

(2010)

23 January 2010

FACEBOOK & TWITTER
 


"Oh, Facebook. You cyberland of rampant narcissism and wasted time. What started out as a social networking site for college kids has somehow turned into a cesspool of self-absorbed way-too-old-to-be-fucking-around-on-Facebook adults who think that the rest of us actually give a shit about what they're drinking, eating, thinking, reading, watching, and/or are listening to every five minutes. They post their top 5 records, movies and TV shows. They post "25 Random Things About Me" lists. And they tell us constantly what they're "fans of." One person is a fan of "grilled cheese." I kid you not. What have we come to when grilled cheese has its own Facebook page? Someone clearly has way too much time on their hands" (aqui)

"Twitter has become a playground for imbeciles, skeevy marketers, D-list celebrity half-wits, and pathetic attention seekers. (...) Then again, look at TV: fat people dancing, talentless people singing, Glenn Beck slinging lunatic conspiracy theories. Stupid stuff sells. The genius of Twitter is that it manages to be even stupider than TV" (aqui)

edit: e, depois, a porteirice online dá nisto.

(2010)
"I'M LIVING SO FAR BEYOND MY INCOME
THAT WE MAY ALMOST BE SAID
TO BE LIVING APART"
(e. e. cummings)



OE 2010: descontos do Estado para a Caixa Geral de Aposentações duplicam

... mas 7,5 mil milhões até deviam dar jeito para ajudar a acertar as continhas.

(2010)
É QUE, VENDO BEM, ISTO É MIL VEZES MAIS GRAVE DO QUE A DUPLA NOVELA FREEPORT/FACE OCULTA



"Triste fim o desta pandemia. Teve tudo: prime times, conferências, editoriais, planos de contingência. Teve uma Direcção-Geral por conta, áreas reservadas de hospitais, ambulâncias, laboratórios, quarto escuro nas creches. Foi o momento de glória de epidemiologistas e especialistas de saúde pública. Cresceu à sombra da respeitabilidade da OMS. (...) Embora a respeitabilidade deva ser reavaliada periodicamente, a OMS teve na gripe A uma prova de fogo. E chamuscou-se. (...) O Estado fez o negócio pelos particulares. Construtores civis, empresas de pré-fabricados, indústria farmacêutica, encheram os cofres. E agora? Discretamente, os hospitais desarmaram as tendas. Alguns ainda esperam uma palavra da tutela. Comissões regionais de gripe, DGS, Ministério. Silêncio. O silêncio glacial dos deuses. (...) Que se ouça, também ninguém pergunta. Nos países democráticos os ministros são interrogados: justificaram-se as medidas? O que se segue? Continua em vigor o estado de excepção? Normalizou-se o funcionamento das Urgências hospitalares? (...) Regressámos à nossa ingenuidade infecciológica pré-pandémica. Tussa lá à vontade para cima de mim, sopre na sopa da menina, dê-lhe beijinhos na mão e na boca do seu amor também" (daqui)

... e contudo...

(2010)
FONTS


Futura

"A vegetarian since the invasion, she'd never seen the word 'bombs' blown up to 96 point Futura" (Vampire Weekend, "Horchata")


The commemorative plaque left on the Moon in July 1969 uses Futura

"I could say I want you, that would be a bore, maybe in a font you've never seen before" (The Magnetic Fields, "I Don't Know What To Say")

(2010)

22 January 2010

A PROPÓSITO DE SASHA GREY E DIVINDADES FELINAS



(2010)
THE MAGNETIC FIELDS - "WE ARE HAVING A HOOTENANNY"



(2010)
CONVENHAMOS QUE, AGORA, JÁ DÁ UM BOCADINHO BANDEIRA DE MAIS...




edit: e notícias como esta - "14.142 pessoas morreram de gripe A em todo o mundo - OMS" -, ao contrário do que pretende quem as planta nos media, só confirmam a gigantesca encenação: os números da vulgar gripe sazonal que nunca abriu telejornais nem estimulou a OMS a gritar "pandemia!" pelo megafone andam sempre, anualmente, entre 250 000 e 500 000.

(2010)
A DIVINDADE FELINA PRIMORDIAL
(e pode entrar já para a listinha...)



Archaeologists in Egypt have discovered a 2,000-year-old temple in Alexandria dedicated to [Bastet] a cat goddess

(2010)

21 January 2010

PRIMEIRO A OMS, AGORA ESTES... PARA TRAFULHICES,
JÁ HAVIA ESPECIALISTAS DE SOBRA NOUTRO SECTOR...




"Os glaciares dos Himalaias não estão à beira de desaparecer já em 2035, como dizia o último relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), o grupo de cientistas que colige o que se sabe de certo sobre o aquecimento global e os seus efeitos no planeta. O grupo, que trabalha sob a égide da ONU, emitiu hoje uma nota em que diz 'lamentar a fraca aplicação dos procedimentos bem estabelecidos' no relatório de 2007" (daqui)

... ora recordemos (aqui e aqui)...

(2010)
E MAIS BRIAN ENO: ABBA


"In the 70s, no one would admit that they liked Abba. Now it's fine. It's so kitsch. Kitsch is an excuse to defend the fact that they feel a common emotion. If it is kitsch, you put a sort of frame around something – to suggest you are being ironic. Actually, you aren't. You are really enjoying it. I like Abba. I did then and I didn't admit it. The snobbery of the time wouldn't allow it. I did admit it when I heard 'Fernando'; I could not bear to keep the secret to myself anymore and also because I think there is a difference between Swedish sentimentality and LA sentimentality because the Swedish are so restrained emotionally. When they get sentimental it's rather sweet and charming. What we really got me with 'Fernando' was what the lower singer was doing, I don't know her name. I spent months trying to learn that. It's so obscure what she's doing and very hard to sing. And then from being a sceptic I went over the top in the other direction. I really fell for them"

(2010)
ABSOLUTAMENTE DE ACORDO!


Caravaggio - Baco (1596)

"Ainda não repararam que [os feriados religiosos] são todos festas católicas? além de uma inaceitável intromissão da esfera religiosa no quotidiano, que se quer laico, de uma civilização tão avançada que até contempla o casamento gay, o que dizer desta parcialidade do Estado para com uma religião apenas?"

... e, caso seja necessário, uma lista de divindades pagãs prontas para a substituição será apresentada em devido tempo.

(2009)

20 January 2010

E POR FALAR NISSO...



Can I take this for granted with your eyes over me?
In this place this wintery home
I know there's always someone in.

Sex crime
Sex crime - 1984
1984.

And so I face the wall
Turn my back against it all
How I wish I'd been unborn wish I was unliving here

Sex crime
Sex crime - 1984
1984

I'll pull the bricks down one by one
Leave a big hole in the wall just where you are looking in

Sex crime
Sex crime - 1984
1984


(2010)
JOVENS MACHOS HETEROSSEXUAIS ADULTOS
ATERRORIZADOS PELO ASSÉDIO DE MILFS
LANÇAM APELO EM DEFESA DA ESPÉCIE




"Um anúncio da transportadora aérea Air New Zealand está a receber críticas arrasadoras de um grupo de prevenção de violação de homens devido a uma campanha que incita mulheres com mais de 35 anos a enviar fotos com homens pelo menos dez anos mais novos, o que as habilita ao sorteio de 60 bilhetes de avião gratuitos. (...) 'A certo momento o jovem macho é arrastado para o apartamento da puma, onde é cruelmente forçado a ouvir discos de Enya ou dos Eurythmics', diz o narrador enquanto as imagens mostram homens em pânico com as investidas femininas" (aqui)

... ok, ser obrigado a ouvir a Enya, ainda percebo a maldade, mas os Eurythmics até eram fixes...

(2010)
A PROPÓSITO DA PAREDE DO ESTÚDIO DE BRIAN ENO











Paredes de sala de aula de escola de cinema

(2010)
BRIAN ENO ACERCA DO FIM DE UMA ERA



"I think records were just a little bubble through time and those who made a living from them for a while were lucky. There is no reason why anyone should have made so much money from selling records except that everything was right for this period of time. I always knew it would run out sooner or later. It couldn't last, and now it's running out. I don't particularly care that it is and like the way things are going. The record age was just a blip. It was a bit like if you had a source of whale blubber in the 1840s and it could be used as fuel. Before gas came along, if you traded in whale blubber, you were the richest man on Earth. Then gas came along and you'd be stuck with your whale blubber. Sorry mate – history's moving along. Recorded music equals whale blubber. Eventually, something else will replace it" (daqui por sugestão do RLima)

(2010)
SE "DE TORRE DE TAVARES PARA MIAMI E MANHATTAN"
NÃO FOR O TÍTULO DO PRIMEIRO BLOCKBUSTER LUSO,
MAIS VALE DESISTIR DE PENSAR EM CINEMA NACIONAL




Duas hipóteses para a sinopse:

1) "Um ex-talhante de Fornos de Algodres, Viseu, decidiu participar num assalto a um banco em Miami, nos Estados Unidos da América, onde nunca tinha estado, usando as poucas palavras que conhecia em inglês. Allan Sharif terá sido o mentor do golpe que comandou por telemóvel, desde a pequena aldeia de Torre de Tavares"

2) "Durante vários meses de 2007 aterrorizou dezenas de empresas estrangeiras, sobretudo nos EUA. E tudo sem sair de Mangualde"

(2010)

19 January 2010

PORQUE NÃO?



Assim que se notasse mais, primeiro foi Maria José Nogueira Pinto a sugerir o argumento; no sábado, no seu inimitável estilo-"pensamento filosófico português", suasereníssimamagestade repescava-o; ontem, no "Público", um ficcionista/humorista de batina recorria às mesmas munições. E, do outro lado, as reacções nunca fogem muito a um chocadíssimo "Mazóquedisparate!... como se poderia pensar sequer numa coisa dessas!" Pode, pode. E, de acordo com o princípio de que o Estado não deveria nem poderia nunca meter o bedelho na vida privada dos cidadãos, porque não? Poligamia (poliginia e poliandria), para quem o desejar, evidentemente que sim.

(2010)