30 April 2011

"HOJE MAIS DO QUE NUNCA, O MUNDO PRECISA DE VOCÊS, QUERIDOS PEDÓFILOS, FACÍNORAS, ABUSADORES E JUNKIES"(santas palavras do beato Kinky Wojtyla, em 1991, aos bem amados Legionários de Cristo)




(2011)
RESUMO DOS ÚLTIMOS CAPÍTULOS DA "LIVREIRA ANARQUISTA"






















Descubra o fabuloso facto que fez com que o povo passasse a gostar mais da Kate e, também, onde ela fez as compras em Outubro de 2005 ou mesmo com quem almoçou, 6 meses mais tarde.





Especial: Mentes Perversas!



Livreira Anarquista, a tentar encontrar posição na cama, antes de dormir

... e, por último:

Freguês português, com um livro português na mão, título em português (para os mais curiosos: “A Mentira Sagrada”) de um autor português e sinopse em português:

— DESCULPE, ESTE LIVRO É EM PORTUGUÊS?

(2011)
PCP E BLOCO DE ESQUERDA COM CANDIDATO COMUM
À PRESIDÊNCIA DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA!




Superman Renouncing American Citizenship In 'Action Comics #900'

(aqui também)

(2011)
ESTOU DE ACORDO: AS CONSEQUÊNCIAS SERÃO GRAVES




... mas não é menos grave que o Sr. Pereira (ou o jornalista da Lusa) tenha(m) estudado na escolinha da Margarida Moreira, da Helena André e do Renato Sampaio.

(2011)

29 April 2011

EM TODO ESTE PROCESSO, O MAIS DIFÍCIL É DECIDIR
- ENTRE DUAS MINISTRAS DA EDUCAÇÃO, MEIA DÚZIA
DE PARTIDOS, UMAS RESMAS DE SINDICATOS E DOIS
GOVERNOS - QUAL DELES TERÁ SIDO O MAIS INDIGENTE...





Tribunal Constitucional "chumba" revogação da avaliação de desempenho docente

... e, afinal, a solução (podendo considerar-se também, agora, como o terceiro post desta série) era tão simples.

(2011)
ISTO TEM PINTA


Clã - "Amigo do Peito"

(2011)

28 April 2011

E A VATICANO S.A. NÃO PODIA TER ESPERADO QUINZE DIAS PARA FAZER O "BIG-SHOW KINKY WOJTYLA" NO 13 DE MAIO, EM FÁTIMA, E DAR UMA AJUDINHA À FRANCISCANA ECONOMIA LUSA?


Não custava nada. O Karol-whip-me-spank-me-call-me-names-Wojtyla adorava a Dominatrix Faty (Lady F para a Opus Dei), conhecia-lhe os segredos todos, mantinha excelentes relações com a submissa-Lúcia, adorava aquelas cenas de joelhos a sangrar e tudo, e, depois (exactamente no 1º de Maio, o dia em que os comunas andam à solta)... fazem-nos isto?

(2011)
O PENSAMENTO FILOSÓFICO PORTUGUÊS (LXV)

Pedro Arroja



Travestismo, shemales, Portugal e a igreja (ou como, ali à beira do Conde Redondo, sob a orientação do Mestre, o destino espiritual da pátria se revela em toda a sua glória LGBT)

"A Igreja Católica é uma figura de mulher - Maria - desenhada em caras de homem - os padres. Na cultura católica são os homens que dão a cara por valores que são predominantemente femininos, como a compaixão, a solidariedade, o amor, a paz.

Portugal é a Igreja Católica em regime civil, também uma figura de mulher, o povo, representada em caras de homem, a elite. Para juntar à complexidade e ao mistério, a figura da mulher - o povo - é designada por um substantivo masculino, e a figura do homem - a elite - por um substantivo feminino"
. (aqui)

(2011)
ISTO NÃO PODE SER SÓ COINCIDÊNCIA...



Kim Jong-il disposto a dialogar com a Coreia do Sul

Sócrates disposto a negociar com PSD

(2011)
LES PORTUGAIS SONT TOUJOURS GAIS (III)






















... Dublin?... Dublin... mesmo? E... Atenas, não?...

(2011)
O LUÍS LÁ SE CONSEGUIU LIMPAR
DO PUPILAR DOS PAVÕES...




Primeiro-ministro no Fórum TSF: "Iniciada a intervenção dos ouvintes no Fórum, a primeira intervenção, de uma estudante, vem sem perguntas: "O engenheiro é a força e a esperança deste país".

Edit 1 (14.31): et voilá!...

Edit 2 (17.56): aaaah pronto!

(2011)
MAS O CAMARADA ZÉ MANEL NÃO SE RECORDA
QUE ISTO ERA EXACTAMENTE O QUE, NO PREC,
QUALQUER MAOÍSTA DIGNO DESSE NOME DIZIA?

(e, reconheça-se, com inteira razão)






















“O PCP nunca tentou fazer um golpe” e Álvaro Cunhal “nunca quis fazer uma revolução socialista em Portugal”

Edit (19.09): com hino e tudo

(2011)

27 April 2011

AINDA NEM CHEGÁMOS A MEIO DO ANO MAS RECEIO BEM
QUE O PRÉMIO "TEOLOGIA... WTF?!!!..." ESTEJA JÁ
ENTREGUE (E ISSO NÃO É NADA BOM PARA O PROF. ARROJA)























"'I have two grandchildren: Maggie is 11; Robert is 9', [Newt] Gingrich said at Cornerstone Church here. 'I am convinced that if we do not decisively win the struggle over the nature of America, by the time they're my age they will be in a secular atheist country, potentially one dominated by radical Islamists and with no understanding of what it once meant to be an American'". (aqui)

(2011)
O QUE PENSAM AS ZEBRAS




















Paul Simon - So Beautiful Or So What

“Um belo objecto? Quem precisa dele? É esse mesmo o seu mistério e o seu fascínio. O truque, tal como o vejo, é prestar-lhe toda a atenção e, ao mesmo tempo, não lhe ligar nenhuma”. Elvis Costello, 56 anos, escrevendo acerca de So Beautiful Or So What, de Paul Simon, 69 anos, no texto de introdução do "booklet" do álbum. O qual, algumas linhas à frente, qualifica como “uma das mais conseguidas gravações” de Simon que “rejeita a sedução pelas trevas em moda e a hipnose da ignorância”. É absolutamente natural que dois tão "beaux esprits" se encontrem mas já é menos comum que aquele que entrou pela primeira vez em estúdio (o single "True or False"/"Teenage Fool", sob o pseudónimo de True Taylor) quando o outro tinha apenas dois anos lhe peça que, deste modo, lance a sua bênção sobre a obra do mestre. Não que ele necessitasse, realmente, disso: bastava-lhe exibir o precioso CV (com Art Garfunkel e a solo) repleto de medalhas e louvores por bravíssimo comportamento nos teatros de guerra da folk/pop para que quaisquer dúvidas dos ignaros se dissipassem de imediato. Mas, independentemente do que possa existir de genuína cumplicidade e justificadíssima admiração mútua, a verdade é que os três álbuns que, na última década e (quase) meia, Paul Simon publicou (Songs From The Capeman, 1997, You’re The One, 2000, e Surprise, 2006, com Brian Eno) não incendiaram, propriamente, as tabelas de vendas de modo sequer remotamente semelhante ao que se passara com os anteriores Graceland (1986) e The Rhythm Of The Saints (1990). Pelo que “a little help from his friend” até poderá ser bem-vinda.



E convenhamos que, à primeira vista, um olhar de relance pelos títulos das canções faz pensar que Simon está determinado a complicar a própria vida: três ostentam “love” no título, outra chama-se "Questions For The Angels" e outra ainda, "The Afterlife". Alerta vermelho instantâneo: querem ver que o passar dos anos empurrou o adepto das "quickies" com a "Cecilia" para um cenário de sininhos tibetanos e paus de incenso "new age"? Nada disso. So Beautiful Or So What não será exactamente um Life Of Brian mas, em todos esses casos – ainda que Paul Simon, não se confessando adepto de nenhuma fé, reconheça que a mortalidade e o... err... sentido da vida insistiram em picar o ponto neste disco – a forma como os “grandes temas” são abordados tem mais a ver com Randy Newman do que com suites esotéricas para o alinhamento dos chacras. Reparem, por exemplo, na tal "Questions For The Angels": “A pilgrim on a pilgrimage, walked across the Brooklyn Bridge” para dar de caras com que revelação? A de um cartaz com “Jay-Z, he’s got a kid on each knee, he’s wearing clothes that he wants us to try”. Sim, confirma-se, “God and his only son” (em "Love & Hard Times") fazem também uma “courtesy call” à Terra mas rapidamente se arrependem: “these people are all slobs here, if we stay it’s bound to be a mob scene”. E, desiludam-se, no insondável "Além", há que fazer fila para o atendimento e preencher um porradão de impressos para, no final, continuarmos sem ter a certeza se a explicação derradeira para a Vida, o Universo e Tudo à Volta é “Bebop A Lula or ooh Papa Doo?”. Envolva-se tudo isto num destilado de sofisticadíssimo "songwriting" americano clássico decantado pela "world music" tal como, há vinte anos, Paul Simon a digeriu, admitam-se dois ou três "samples" e um aroma de blues do Delta e tome-se nota: a interrogação a que os anjos não souberam responder foi “If every human on the planet and all the buildings on it should disappear, would one zebra grazing in the African Savannah care enough to shed one zebra tear?”.

(2011)

26 April 2011

A ENCOMENDA SAIU MUITO BEM COM A DEIXA COMBINADA
DA PERGUNTINHA "PESSOAL" SOBRE A FAMÍLIA E TUDO




... o Luís é que voltou a meter água ao não conseguir cortar o pio aos pavões de S. Bento que, lancinante mas mui pertinentemente, comentaram o monólogo do Chefe Máximo, sem descanso.

(2011)
RECORDAR É VIVER (XXXIV)






















26.04.11 - O que é preciso são bons modinhos

23.10.03 - "Estou-me cagando para o segredo de Justiça"

(2011)
ÍMPIAS CITAÇÕES (VI)

The Humanist: You weren’t raised in a religious home, but one full of values. For the religious, values and religion are synonymous. Could you explain the difference?

Nina Hartley: We were taught social justice at home. My maternal grandparents were early supporters of civil rights in Alabama, where my mother is from. As secular Jews (my grandfather refused Bar Mitzvah) they were already a minority, but when my grandfather turned to socialism for its sense of social justice it put the family in jeopardy and they were subject to harassment by the Ku Klux Klan. My grandfather almost lost his life to goons.

This sense of social justice carried over into my parents’ marriage, and I grew up participating in civil rights marches and anti-war demonstrations. There was never any mention of God as a reason to do right. It was just the right thing to do. I feel strongly to this day that right and religion don’t necessarily go hand in hand.

As a believer in evolution, we can “take the best” from religion and “leave the rest.” We no longer need the story of “God” to explain why the rain falls, or the wind blows, or spring comes again each year. I’m comfortable with there being things about people or the world that I can’t know, or that we don’t know yet. I’m fine with life as we know it being random or an “accidental” result of chemical and physical processes".

(Marie Hartman graduated with honors from San Francisco State University and is the author or coauthor of several books published by major publishing houses under her stage name, Nina Hartley. She is also the star of more than 600 adult films spanning three decades. In addition, Hartley is a humanist, a proud atheist, and a vocal feminist - aqui; Nina Hartley já referida também aqui no link para o "Village Voice")

(2011)
GANG OF FOUR



"Not Great Men"

No weak men in the books at home
The strong men who have made the world
History lives on the books at home
The books at home

It's not made by great men
It's not made by great men
It's not made by great men
It's not made by great men

The past lives on in your front room
The poor still weak the rich still rule
History lives in the books at home
The books at home

It's not made by great men
It's not made by great men
It's not made by great men
It's not made by great men

The past lives in the books at home
No weak men in the books at home
History lives in the books at home
The books at home

It's not made by great men
It's not made by great men
It's not made by great men
It's not made by great men


(2011)
É A PURÍSSIMA VERDADE: A CAVACAL FIGURA É FOLEIRA
ATÉ À MEDULA; MAS ISTO (AQUI EM BAIXO) É O QUÊ?




(2011)

25 April 2011

THE BEGGAR'S OPERA REVISITED
(c/ The Unthanks, Adrian Utley, Charles Hazlewood)





(2011)
(O ANO A SEGUIR AO) ANO DO TIGRE (XLIX)



"I was driving back from the west gate of Ajdabiyah, where opposition forces were trading Grad rocket fire with Gaddafi’s forces to the west, when I saw a bombed-out upside-down pickup truck by the side of the road. It was probably a truck from Gaddafi’s militias that had been hit by a Coalition air strike.






















There are countless bombed-out vehicles lining the road to the front. But for some reason that I can’t explain, I decided to pull over and check this one out. Hanging out underneath the truck was a cat, nibbling on a few crusts of bread.






















The cat let me do a photo shoot. The thud of rockets in the background didn’t seem to bother it". (aqui)

(2011)
"ONLY AN EXPERT CAN DEAL WITH THE PROBLEM" (II)



(2011)
COM TAIS PÉSSIMOS EXEMPLOS VINDOS TÃO, TÃO, MAS
TÃO DE CIMA, COMO PODERIA UM POBRE E VELHO PAÍS
CATÓLICO ALGUMA VEZ SONHAR ENTRAR NOS EIXOS?...



Todos os Santos - Fra Angelico (sec. XV)

Cunha do Altíssimo abre "via prioritária" para a beatificação do sumo-patífice-kinky-Wojtyla, furando a "lista de espera" onde tantas outras santas almas, de senha na mão, aguardam a sua vez

... depois, admiram-se...


(2011)

24 April 2011

CONTINUAS ASSIM E NÃO TARDA NADA O PARTIDO
PELOS ANIMAIS
APELA AO VOTO NO PSD



"Não tenciono morar na residência oficial, tenciono morar onde estou hoje [Massamá] e, portanto, não mudarei as minhas rotinas; segundo, as minhas cadelas talvez não consigam acompanhar todo esse percurso, pois estão a ficar muito velhotas, fizeram-me uma companhia muito grande durante muitos anos, mas já têm 13 e 14 anos, e infelizmente não creio que isso seja muito viável". (Pedro Passos Coelho à "Flash", citado pelo "Público")

... sim, quem consegue ignorar "a solenidade das fêmeas que sabem o lugar cativo que ocupam no coração do homem"?

(2011)
VINTAGE (XXXIX)

Richard & Linda Thompson - "The Little Beggar Girl"



I'm just a little beggar girl and Sally is my name
You can call me a skiver and I'll call you the same
You can show me you're sorry if you think it's a shame
That I'm only a poor little beggar girl
Yes I'm only a poor little beggar girl
You can show me you're sorry if you think it's a shame
That I'm only a poor little beggar girl

I'll dance with my peg leg a-wiggling at the knee
I'll play on the accordion my father gave to me
For it's well worth it all to please a gent such as thee
For I'm only a poor little beggar girl
Yes I'm only a poor little beggar girl
And it's well worth it all to please a gent such as thee
For I'm only a poor little beggar girl

I've been down to London, I've been up to Crewe
I travel far and wide to do the work that I do
'Cause I love taking money off a snob like you
For I'm only a poor little beggar girl
Yes I'm only a poor little beggar girl
And I love taking money off a snob like you
For I'm only a poor little beggar girl

Oh the poor they will be rich and the rich they will be poor
That's according to Saul when he wrote down the law
And I'd much rather be rich after than before
For I'm only a poor little beggar girl
Yes I'm only a poor little beggar girl
And I'd much rather be rich after than before
For I'm only a poor little beggar girl

If the words of my song do your conscience alarm
Just remember generosity is like a lucky charm
If you give me your money, it'll do you no harm
For I'm only a poor little beggar girl
Yes I'm only a poor little beggar girl
If you give me your money, it'll do you no harm
For I'm only a poor little beggar girl


(2011)
EM CONTINUAÇÃO (IV)


Ann Huey, Naked at the Last Supper, 2006



Dr. House Last Supper, 2008



Guy Peellaert, Elvis Presley is a King, 1970-1975



Howard Schatz, The Last Supper, 2005



Folsom Street Fair, 2007

(2011)
"AFTER CHANGES UPON CHANGES
WE ARE MORE OR LESS THE SAME"



















Simon & Garfunkel - Bridge Over Troubled Water (2CD + DVD)

"Bridge Over Troubled Water" (a canção), oração secular em registo gospel branco, terá sido o poderoso sopro de vento que fez descolar o último álbum homónimo da dupla que reuniu durante seis anos Paul Simon e Art Garfunkel e o projectou para uma gloriosa carreira de chuvas de Grammies, listas de "Greatest All time Albums" et alia. Mas – como é de regra na estirpe dos, de facto, clássicos a que ele justamente pertence – não era a única pérola alojada no interior do estojo. Nem sequer a mais preciosa e luminosa.



"The Boxer", cruel instantâneo realista disfarçado de "singalong" (a que, na versão original foram amputadas cinco linhas de gélida reflexão: “I am older than I once was, and younger than I'll be and that's not unusual, no it isn't strange, after changes upon changes, we are more or less the same”) disputava-lhe o lugar e, muito mais discretas peças de joalharia literária e musical como "So Long, Frank Lloyd Wright", "The Only Living Boy In New York" ou a sublime "Song For The Asking" confirmavam sem deixar espaço para disputa que Paul Simon pertencia, já em 1970, à mais ilustre linhagem norte-americana de "songwriters".



Não que isso fosse estritamente necessário: dois anos antes, o duo havia publicado Bookends, o seu verdadeiro opus magnum, sucessão de pequenos assombros de nome "America", "Save The Life Of My Child", "Old Friends", "Overs", "Mrs. Robinson" ou "A Hazy Shade Of Winter". Entretanto, quem, por hipótese improvável, nunca tenha escutado Bridge Over Troubled Water tem, agora, a oportunidade de o fazer nesta cuidada reedição que – para esses e para os outros – inclui ainda os bónus de um Live 1969 e um DVD (Songs Of America), documentário da CBS do mesmo ano, testemunho de S&G numa curva da história americana.

(2011)

23 April 2011

"THE SHOE IS A SIGN!"


The Life Of Brian - Real. Terry Jones (1979)

(2011)
EM CONTINUAÇÃO (III)






















Robert Crumb, The Last Supplement, 1971



Gabriel Oviedo - SentidoG, La Cena, 2009



Bears Against AIDS, 2006



Cynthia Fraula-Hahn, Frida Kahlo’s Last Supper, 2005



Chad Coombs, Fast Supper, 2007

(2011)
ZUMBE, ZUMBE A ABELHINHA






















Concelhia de Lisboa do PSD marcada por desavenças: "Não foi bem visto o facto de o presidente da concelhia, Sérgio Lipari, ter indicado o seu próprio nome – além do de outros militantes que não haviam manifestado disponibilidade para assumirem o cargo de deputados. (...) 'Acredito que algumas pessoas que gostavam de integrar as listas de deputados tenham ficado insatisfeitas. Mas não há lugares para todos”'". (artigo integral aqui)

(2011)
EM CONTINUAÇÃO (II)


History Of The World (Part I) - Real. Mel Brooks (1981)

(2011)

22 April 2011

EM CONTINUAÇÃO (I)














(2011)
O PENSAMENTO FILOSÓFICO PORTUGUÊS (LXIV)

João César das Neves



De JCN, já conhecíamos o génio para a alegoria de inspiração bíblica, a sua implacável denúncia do "totalitarismo do orgasmo", a incomensurável erudição sobre a vida e obra de Joan Baez e a requintada veia de onirismo profético.

Nada, porém, nos poderia preparar para o devastador embate de colidir de frente com o mais negríssimo humor aplicado ao comentário político. O início de "Crise" é duro, indignado e pungente:

"O que mais custa nesta terrível crise é a suprema injustiça. Pessoas inocentes são despedidas, prejudicadas, espezinhadas, agredidas, e os verdadeiros responsáveis não só ficam incólumes, mas ainda se atrevem a protestar e dar-se como vítimas". (...)

A crise embrulha-nos como enxurrada impiedosa e imparável, ao sabor dos credores internacionais. Sentimo-nos como gado levado para o matadouro, ovelhas mudas ante aqueles que nos tosquiam".


O murro no estômago, contudo, surge, na avassaladora "punch line":

"É precisamente nesta altura que o calendário nos traz a Páscoa, que nos mostra isto mesmo, num grau muito superior. Milhares de milhões de pessoas em todo o mundo vão celebrar o mistério da suprema injustiça, da mais completa impotência". (aqui)

Toma e embrulha!

(2011)
NO, SIR!






















(2011)
TV GHOST IV - MASSAMÁ'S OBAMAS



(2011)

21 April 2011

TV GHOST III - HOLIDAYS IN THE SUN



(2011)
NOTA PARA OS SENHORES DO FMI QUE FICAM A TRABALHAR



"Poul

- As chaves da portaria estão na 2ª gaveta do lado esquerdo da mesa do porteiro ponham-na lá quando acabarem

- A password dos PCs é "teixasgohome" tudo em letra pequena (LOLADA)

- O número da Pizza Hut está em cima da mesa

Tchau e bom trabalho bacanos!

ps - Pá a cafetaria 'tá fechada mas há máquina do café no 2º andar tens é de levar trocos, desliguem as luzes antes de saírem e fechem a janela da sala porque senão entram para lá os pombos à noite. Tenho tlm no silêncio mas telefono no domingo para saber novas.

ps2 - não mexam no bonsai da secretária ca tipa passa-se" (aqui)

(2011)
NESTA QUADRA PASCAL, O MEU CORAÇÃO ERGUE UM CÂNTICO
DE LOUVOR AOS CÉUS POR ME TER PERMITIDO ESTAR VIVO
PARA LER A FRASE "A SUA VIRILHA ARDIA DE DESEJO"














































(e outro cântico à Livreira que não tem nada que agradecer)

(2011)
A ABERTURA À SOCIEDADE CIVIL COMPENSA






















Telmo-Big-Brother candidato pelo PS/Leiria *

Sondagem coloca PS e PSD em empate técnico em vésperas de legislativas

* A filosofia política de Telmo

(2011)
O QUE O MOÇO QUER DIZER É: "MAS QUE RAIO É
QUE LHES PASSOU PELA CABEÇA QUANDO FECHARAM
A "INDEPENDENTE"? (OU, EM VERSÃO ALTERNATIVA,
"OU HÁ MORALIDADE OU COMEM TODOS") - MAIS UM
EXEMPLO DA JUSTA REVOLTA DA "GERAÇÃO À RASCA"




"Podem acusar-me de não ter acabado ainda o curso, mas há dezenas de pessoas que ocupam cargos importantes e que levaram muitos anos a concluir os seus cursos" (Simão Ribeiro, líder da JSD-Porto, ao "Público" de hoje)

(2011)